Mas afinal, quem é umbandista?

copy-mataverde2012.jpg

Mas afinal, quem é umbandista?

Sabemos que a umbanda por ser complexa e universalista possui em seu bojo muitos assuntos polêmicos.

Entre as várias questões conhecidas, acreditamos que existe uma que pode ser considerada como principal.

Esta questão é: Quem é umbandista?

Parece uma coisa simples, evidente, óbvia, mas não é.

Neste texto vamos procurar estudar um pouco mais esse assunto e desta forma provocarmos a reflexão e o debate sobre esta questão primordial.

Conforme já tivemos oportunidade de escrever em vários textos publicados neste blog os umbandistas não conseguem aceitar as informações pesquisadas e divulgadas pelo IBGE sobre o CENSO  ou empresas de pesquisa como o DATAFOLHA.

Em todas estas pesquisas o número de pessoas que se assumem como Umbandistas,  sempre é reduzido, atualmente algo em torno de 0,3% da população brasileira.

Os umbandistas então gritam aos quatro cantos que estas informações estão erradas, que o número de umbandistas no Brasil é de milhões de brasileiros, e para isso alguns citam que os Terreiros estão lotados, cheios de pessoas na assistência, que fazem filas na porta.
Alguns mais afoitos acusam estas instituições sérias, de preconceito e perseguição contra os umbandistas.

Outros se lembram das festas de fim de ano, nas praias, onde as pessoas se vestem de branco, pulam as sete ondas, bebem muita champanhe, jogam flores ao mar, ao som de muita música e shows pirotécnicos,  normalmente patrocinados pelo poder público para atrair turistas.

Aqui podemos fazer algumas perguntas:

Será que todas estas pessoas que vão à praia no final de ano são umbandistas?

Será que todas as pessoas que procuram um Terreiro de umbanda são umbandistas?

Será que pelo simples fato de estarem na praia, vestidas de branco significa que são  umbandistas?

Será que pelo fato de algumas pessoas serem médiuns, e incorporarem espíritos,  são umbandistas?

Quatro questões simples, poderíamos fazer uma lista de perguntas semelhantes, mas vamos parar nestas quatro.

Para que possamos responder estas perguntas precisamos em primeiro lugar definir o que é ser umbandista.

Podemos começar nosso estudo com algumas possíveis definições de quem é o umbandista.

UMBANDISTA É QUEM SEGUE A UMBANDA

UMBANDISTA É QUEM PRATICA A UMBANDA

UMBANDISTA É QUEM FREQUENTA UM TERREIRO DE UMBANDA

UMBANDISTA É QUEM É BATIZADO NA UMBANDA

UMBANDISTA É QUEM ESTUDA A UMBANDA

UMBANDISTA É QUEM INCORPORA CABOCLO E PRETO VELHO

Naturalmente que pretendemos uma definição racional e lógica.

Neste momento não irá atender nossas necessidades definições como:

Umbanda é paz e amor, então umbandista é quem prega paz e amor.

Umbanda é caridade, então umbandista é quem pratica caridade.

Umbanda é manifestação do espírito para caridade, então umbandista é quem incorpora espírito para prática da caridade.

E outras semelhantes que acabam não servindo para nada, devido a amplidão dos conceitos apresentados na definição.

Naturalmente que todos devem concordar que existe uma relação direta entre as palavras UMBANDISTA  e UMBANDA,  podemos descartar da definição de UMBANDISTA quem é Candomblecista, Católico, Espírita, Protestante, Judeu, Muçulmano, Hinduísta, Ateu etc…

É fato que o UMBANDISTA deve estar relacionado diretamente com a UMBANDA, o que falta é encontrarmos o elo entre estas duas palavras.

A definição UMBANDISTA É QUEM SEGUE A UMBANDA é muito incompleta, pois é muito difícil nos dias atuais uma doutrina umbandista, que sirva de referência para ser seguida. Sabemos que ainda não possuímos esta doutrina única e que define os limites, as leis da Umbanda, portanto esta definição embora bem simples, deixa muito a desejar.

Outra definição é UMBANDISTA É QUEM É BATIZADO NA UMBANDA, sabemos que várias religiões se utilizam da prática do batismo para vincularem a pessoa aquela religião, por exemplo, o catolicismo; mas na umbanda devido a grande diversidade de ritos e fundamentos existem muitas Casas que não se utilizam do batismo. No Núcleo Mata Verde seguimos uma umbanda iniciática, onde existem graus de iniciação, mas não temos o batismo.

Também podemos argumentar que existem pessoas que foram batizadas, por exemplo, no Catolicismo ou no protestantismo e agora frequentam um Terreiro e foram batizadas na umbanda, será que estas pessoas deixaram de ser católicas?

Ou no caso destas pessoas que foram batizadas na umbanda e agora se afastaram para seguir outra religião, por exemplo, catolicismo ou mesmo o Candomblé, estas pessoas deixaram de ser umbandistas?

Bastaria simplesmente o fato de serem batizadas, mesmo que estejam seguindo outra religião, para garantirem o status de serem  umbandista por toda a vida?

Particularmente não acredito nisso, pois sabemos que existem muitas pessoas que passaram pelos Terreiros de Umbanda e hoje batizados em outra religião se tornaram ferrenhos inimigos da umbanda. Na igreja universal encontramos muitos exemplos deste caso.

Então somente o fato de serem batizados não define a condição de Umbandista, ela deve ser complementada por mais uma situação, ou seja, ela deve estar atuando em alguma casa umbandista.

Poderíamos tentar melhorar esta definição escrevendo UMBANDISTA É QUEM É BATIZADO NA UMBANDA E FREQUENTA UMA CASA DE UMBANDA, mas como mencionado acima já sabemos que nem todos os Terreiros utilizam-se do batismo, então ainda não é uma definição completa.

A outra definição apresentada UMBANDISTA É QUEM ESTUDA A UMBANDA também nos parece bem superficial.

Recentemente recebemos uma mensagem de uma pessoa que queria ser umbandista sem frequentar um Terreiro de umbanda, queria somente reunir sua família e estudar a umbanda por alguns livros. O missivista me perguntava se poderia ser enquadrado como um Umbandista.

Foi neste momento que procurei refletir sobre este assunto, sabemos da existência de uma vasta bibliografia umbandista, muitas até conflitantes entre si, mas somente o estudo bastaria?

Particularmente acredito que não.

Para sermos umbandistas, na minha humilde opinião, não basta somente devorarmos livros.

Penso que todos os Pais e Mães devem concordar comigo, não se faz um filho de umbanda sem vivência templária, ou seja, sem viver o dia a dia de um Terreiro.

Com toda a certeza, o estudo nos dias atuais é fundamental, mas somente estudo teórico não basta para ser  Umbandista.

Comentei ao interessado que o estudo seria a porta de entrada na umbanda, mas ainda não seria suficiente para eles se considerarem umbandistas.

A próxima definição UMBANDISTA É QUEM INCORPORA CABOCLO E PRETO VELHO, e aí incluímos qualquer outra entidade espiritual que se manifesta nos diversos Terreiros de Umbanda, sejam ciganos, marinheiros, baianos, exus etc…

O simples fato de você ser médium e incorporar um espírito qualquer não faz de você um umbandista.

Existem centenas, talvez milhares de pessoas que se encontram nesta condição. Muitas até contrariadas, irritadas por terem que trabalhar na umbanda contra a sua vontade.

São aquelas que ficam pulando de casa em casa, ou se retiram e depois de anos quando a situação “aperta” aparecem para somente darem passagem aos seus “guias” somente para se descarregarem.

Será que estes são umbandistas?

E aqueles que estão nos centros espíritas, sabem que possuem um Preto Velho, um Caboclo e devido as doutrina espírita não permitir dar “passagem” a estas entidades só procuram a umbanda nas necessidades.

Dizem-se ESPÍRITAS ou KARDECISTAS.

Alguns até chegam a afirmar que a umbanda só tem pessoas ignorantes, mas quando a situação aperta, vão correndo visitar uma casa de umbanda para se “descarregarem”.

Será que estes são UMBANDISTAS?

Desculpem minha sinceridade, mas não considero que sejam umbandistas.

Ainda não podemos nos esquecer daquelas pessoas que colocam placas “TRAGO SEU AMOR EM 21 DIAS”, Pai Fulano, incorpora preto velho tal, exu tal, pomba gira tal, umbandista.

Será que este é umbandista?

Para mim somente um vigarista, aproveitador da miséria humana, enganador e que não merece o respeito dos umbandistas. Em minha opinião um caso de polícia.

E aqueles que deixaram a Umbanda para irem para o Candomblé e que continuam a se dizer umbandista.
Os motivos para isso são muitos, mas não deixam de ser parecidos com todos aqueles que deixaram a umbanda e estão na Igreja Universal.

Conheci uma mulher, que se dizia umbandista, mas depois descobri que ela tinha ido para a Nação “fazer a cabeça” segundo ela dizia, e que pediu para o Babá que não queria mais incorporar nenhum guia de umbanda, queria “fechar o corpo”, a única exceção é que queria continuar incorporando sua Cigana e sua Pomba Gira, pois gostava muito de ler as cartas e queria continuar com o amparo espiritual das duas.

Eu pergunto, seria esta mulher umbandista?

Atualmente temos algumas pessoas que deixaram a umbanda e foram para a Nação.
Não tenho nada com isso, cada ser humano tem liberdade para seguir a religião que quiser, mas continuar a dizer que é umbandista somente porque “carrega” um Caboclo, Exu ou Pomba Gira e tem que “cuidar” deles, para mim é uma afronta a religião de Umbanda.

Você, meu irmão, foi um Umbandista, hoje você é seguidor do culto de Nação.

Se tivesse escolhido ir para a Igreja evangélica seria um evangélico, mas Umbandista com certeza não é mais.

E aqueles que   “tocam” Umbanda em um dia e Candomblé em outro dia.

Desculpem minha sinceridade, isso é uma aberração, inadmissível.

É a mesma situação de querer ser, por exemplo, Evangélico e Católico, ou Judeu e Cristão; na realidade quem faz isso não é nem uma coisa nem outra.

Em alguns casos são somente oportunistas, que querem de alguma forma viver da religião, ou pessoas com sérios problemas emocionais.

Todas as religiões são boas, mas não é possível andar com os pés em duas canoas; pertencer ao mesmo tempo a egrégoras diferentes, com fundamentos diferentes e contraditórios.

É como ser torcedor do Palmeiras e do Corinthians, ou pertencer ao Partido Comunista e ao Partido Nazista.

Naturalmente que estamos nos referindo aos dirigentes, aos Sacerdotes.

Ou você é um Sacerdote Umbandista ou um Sacerdote de Nação, saia logo de cima do muro e defina um caminho em sua vida espiritual.

Deixamos por último a definição UMBANDISTA É QUEM FREQUENTA UM TERREIRO DE UMBANDA.

Aparentemente parece ser a mais perfeita, mas o fato de frequentar um Terreiro não significa que a pessoa é Umbandista.

Vamos pensar um pouco sobre esta questão.

Quem frequenta um Terreiro de Umbanda?

Podemos dizer que existem dois tipos de pessoas:

1)As que frequentam na assistência, os visitantes.

2)Aquelas que “vestem branco”, os filhos da casa, os membros da casa.

Acredito que todos devem concordar que existe uma diferença enorme entre estes dois tipos de frequentadores do Terreiro.

Todos sabem que as portas de um Terreiro de Umbanda estão abertas a todos os necessitados, mas sabemos que as pessoas que procuram um Terreiro de umbanda procuram a Umbanda com os mais diversos interesses.

Muitos buscam a umbanda, como se estivessem buscando um comercio. Querem somente soluções para seus problemas e  na grande maioria são problemas de ordem material.

Outros buscam a umbanda para soluções espirituais, depois de procurarem em sua religião e não conseguirem resultados.

Assim que conseguem alguma melhora regressam para sua vida mesquinha.

Alguns negam categoricamente que tenham buscado ajuda em uma casa de umbanda.

Estes possuem muitas origens. Estamos cansados de receber Espíritas, Católicas, Evangélicos, Budistas que chegam aos frangalhos em nossa casa, quando se equilibram, viram as costas para a umbanda e guardam em segredo que um dia pisaram dentro de um Terreiro de Umbanda.

A Ingratidão é muito grande na assistência dos Terreiros de Umbanda.

Não podemos nos esquecer dos materialistas e ateus que procuram a umbanda somente porque seus negócios não estão indo bem, querem somente “comprar” ajuda para ganharem mais e pouco se importam com os princípios espirituais.

A outra parte dos frequentadores do Terreiro são os filhos da casa.

São os membros do Terreiro, normalmente contribuem com alguma ajuda financeira para que o Terreiro possa funcionar, passaram pelos rituais internos da casa,  frequentam regularmente e assiduamente as reuniões, devem ter um comportamento exemplar conforme os ensinamentos da casa.
Possuem funções dentro do ritual de umbanda e podem ser médiuns de incorporação, Cambones, Ogãs ou outras denominações regionais.

Na minha humilde opinião, estes são os VERDADEIROS e ÚNICOS Umbandistas.

Podemos então agora buscar uma definição mais precisa para a pergunta proposta no início do texto.

UMBANDISTA É QUEM FREQUENTA UM TERREIRO DE UMBANDA E POSSUI FUNÇÕES DENTRO DO RITUAL.

Lembramos que a palavra “TERREIRO” simboliza um “ESPAÇO SAGRADO” onde se realiza um trabalho espiritual de umbanda, que pode ser na mata, na praia, na garagem ou em um imóvel dedicado a esta finalidade, independente da quantidade de pessoas existentes no ritual com ou sem a presença da assistência.

Saravá!

São Vicente, 29/06/2013

 

Manoel Lopes – Dirigente do Núcleo Mata Verde

Participe, registre seus comentários, críticas e sugestões.

Você pode gostar...

15 Resultados

  1. SOUZA disse:

    SE HÁ DESCRIMINAÇÃO, ELA COMEÇA PELO PROPRIO UMBANDISTA QUE MUITAS DAS VEZES DIZEM -SE CATOLICOS. OCULTANDO SUA VERDADEIRA RELIGIÃO POR VERGONHA DE SER CRITICADO PELOS OUTROS DE OUTRAS CRENÇAS.
    ASSIM COMO EM OUTRAS CRENÇAS TODOS OS FREQUENTADORES E NÃO SOMENTE OS MENTORES SÃO DENOMINADOS PELAS PROPRIAS RELIGIOSIDADES. UMBANDISTA É TODO AQUELE QUE FREQUENTA E NÃO APENAS OS QUE ESTÃO TRABALHANDO.
    SARAVA A UMBANDA. ABRAÇÃO A TODOS.

  2. Ola, sou umbandista de alma e coração, sinto orgulho em ser e disser que sou UMBADISTA
    Concordo plenamente no texto do PEDRO MIRANDA.
    Parabens pela sua observação do que é ser UMBANDISTA
    AXÉ a todos

    Rosana

  3. André Morais disse:

    Escrevi um longo texto mas o apaguei todo.
    Resumindo:
    Além de ser um frequentador de casa de Umbanda devemos NOS SENTIR UMBANDISTAS.

  4. L. disse:

    Olá Pai Manoel.

    Ainda não tinha visto por esse ângulo, amo a Umbanda que tanto nos ensina.

    Saravá!

  5. Gerson Brabo disse:

    Prezado Irmão Manoel Lopes,
    Apresento-me como estudioso de religiões e de práticas esotéricas, desculpe minha colocação, pois senti em seu trabalho uma visão puramente materialista, considero-me Gnóstico e trabalho com Apometria a alguns anos, e de todas as minhas passagens por unidades religiosas, percebi problemas que afetam aqueles que buscam uma identificação religiosa (muitos deles descritos em seu trabalho), não querendo me alongar em minha colocação, dou a seguinte colaboração: independente das práticas, dogmas, etc… (aspectos materialista definidos pelos homens ou pelos egos destes), a verdadeira identidade religiosa está no sentimento, na fé e no coração de cada ser humano. As suas considerações – Gerson Brabo

  6. Windsor Vieitas disse:

    Olá Manoel Lopes,
    Parabéns pelo texto e por seu belo trabalho de desmistificação e divulgação da VERDADEIRA UMBANDA.
    Salve !!! Toda a cúpula espiritual do Mata Verde !!!
    Saravá!!!
    Windsor RJ.

  7. Sueli Neves disse:

    Sueli Neves

    04/07/2013

    Li os comentários descritos, gostei muito do texto, mas possuem os dois lados, os que realmente estão na corrente, mas por estar, e os que ficam na assistência que tem amor aos trabalhos, como também, os papéis invertem-se, pois tem muita gente na assistência que só vai para as entidades resolverem seus problemas, mas não querem colaborar de forma alguma com o terreiro, assumir a responsabilidade que é ser médium de verdade de Umbanda. Gostei do comentário irmão Pedro.

    Que Pai Oxalá abençoe a todos!

  8. Norberto de Ogum disse:

    A UMBANDA É PAZ E AMOR É UM MUNDO CHEIO DE LUZ- GENTE PRECISAMOS SIM SAIR DOS “ARMÁRIOS ” E VESTIR A CAMISA DA UMBANDA, PRECISAMOS SIM ESTAR DE BRANCO, DAR PASSIVIDADE AO NOSSO PRETO-VELHO, AO NOSSO CABOCLO, CRIANÇA, DESMISTIFICRA NOSSO EXÚ, DESASSOCIA-LO DO DEMÔNIO CATÓLICO COMO TENTAM NOS IMPOR E PRATICAR O QUE SE PEDE, DEVEMOS LEVAR AO MUNDO INTEIRO A BANDEIRA DE OXALÁ, POIS SÓ ASSIM REFLETIRA A LUZ DIVINA EM TODO SEU EXPLENDOR, DISSIMINANDO O REINO DE OXALÁ ONDE HÁ PAZ E AMOR, PARA QUE ESTA LUZ REFLITA NA TERRA, REFLITA NO MAR, QUE ESTA LUZ VENHA ILUMINAR.AVANTE IRMÃOS E FILHOS DE FÉ, POIS COMO A NOSSA LEI NÃO HÁ, PARA SERMOS MUITO RESPEITADOS E NÃO SÓ TOLERADOS.
    ME DESCULPEM A DESORDEM QUE COLOQUEI NO NOSSO HINO, NA NOSSA UMBANDA, MAS VAMOS DEFENDER NOSSA BANDEIRA, NOSSA COR, NOSSA RAÇA, NOSSO POVO.
    SARAVÁ A TODOS E QUE OGUM E IANSÃ NOS PROTEJA E NOS DEFENDA.

  9. Fernanda disse:

    Ola!
    Eu sou obrigada a discordar do texto em questão, não creio que para você ser umbandista você precise usar branco e bater cabeça diante do congá. Acredito sim que para ser umbandista você tem que amar a religião, tem que ter um profundo respeito pela casa que frequenta e pelo seu dirigente. Tem que se sentir profundamente tocado pelas palavras ditas pelas entidades. Mas para isso não importa se você é médium ou não, se você é cambono ou não. Porque não é isso que faz de alguém um umbandista. O que faz alguém ser umbandista o amor e a vontade de pertencer á religião. Digo isso porque durante muitos anos eu frequentei a assistência de uma casa. Depois de um certo tempo não era mais nem para me consultar com alguma entidade, era apenas para estar lá, para ver aquela coisa linda que se apresentava diante dos meus olhos que era uma gira de umbanda. Naquele momento eu estava em paz, estava feliz e estava certa de aquele era o lugar mais bonito em que eu poderia estar. E mesmo eu tendo de acordar ás seis horas da manhã em pleno domingo e tendo que viajar quarenta quilómetros para chegar até aquela casa, nada me trazia mais satisfação do que estar lá. E era nesses momentos, que eu tinha certeza de que EU ERA UMA UMBANDISTA, mesmo porque eu tinha certeza que o meu amor e o meu respeito por tudo aquilo era muito maior do que o de muitos médios que estavam ali somente por vaidade ou por obrigação. O que eu quero dizer é que a umbanda não é exclui aquele que não nasceu com o dom da mediunidade, ou que não encontrou na casa que frequenta a oportunidade de trabalhar de outra forma. O que eu sei é que pelo menos a umbanda qu eeu frequento está de braços abertos para todos que estão dispostos a seguir os seus ensinamentos.
    É isso!

    • Manoel Lopes disse:

      Fernanda,

      Obrigado pela sua participação.
      Como mencionei no início deste texto, o assunto é bastante polêmico e nossa intenção é provocar o debate e a reflexão; sem meias palavras.
      Mantenho minha opinião; na umbanda não basta falar é preciso agir e trabalhar.
      Entendemos que você tem um amor muito grande pela umbanda, acredito que todos os umbandistas possuem este carinho, respeito e amor pela umbanda.
      Mas infelizmente se não existir o médium de trabalho, os cambones e os ogãs não teremos mais a umbanda.
      Você já pensou se todos os filhos da casa que você frequenta resolverem ficar somente na assistência.
      Em nossa casa as portas estão sempre abertas a todos; como mencionei no texto.
      Fazemos cursos abertos a toda a comunidade, seja umbandista ou não.
      Mas seu eu resolver não ir mais abrir as giras,pois sou o Dirigente da casa, se os médiuns deixarem de ir trabalhar, ou se não tiver mais os médiuns de sustentação dos trabalhos, os Ogãns, então terei que fechar o Terreiro.
      Posso até ficar dizendo aos quatro cantos que adoro a umbanda, mas o que vai adiantar isso?
      Sei que existem pessoas que passam anos frequentando uma casa de umbanda, não perdem um trabalho,adoram as músicas, a defumação, mas isso necessariamente não faz da pessoa um Umbandista.
      Na minha opinião, esta pessoa é um admirador da Umbanda.
      Se você frequenta há tanto tempo a umbanda, porque não entra em definitivo para o Terreiro?
      Tenho a certeza que será bem recebida, pois não existe casa de caridade neste planeta, que não necessite de colaboradores.
      Dentro de uma Tenda de Umbanda existe lugar para todos os que quiserem realmente ajudar.
      Saravá!
      Abraços,

      Manoel Lopes

    • Cirenini disse:

      Muito bom Fernanda, me parece que sua descrição foi perfeita, pois nas demais religiões, por exemplo: as Xintoístas, católicas e protestantes etc…, os fiéis que lá participam, mesmo não fazendo parte direta dos rituais, se dizem adeptos fervorosos, ou seja, na minha opinião, não é necessário ser padre, monge, bispo ou pastor, não é necessário ser carola, testeminha etc para provar sua religiosidade.
      Eu creio que aquele que segue de coração uma religião, atendendo aos seus princípios elementares pode-se dizer adepto, ou melhor, as pessoas que mesmo estando apenas na assistência, mesmo que não frequentemente, mas que vão com amor e coração com esperança e fé, aqueles que vão para o terreiro de Umbanda, Candomblé, Quimbanda, Jurema etc…, mesmo que apenas para receber um passe, uma palavra de um guia, mas sempre com respeito e não apenas com os interesses que infelizmente vemos na maioria como descrito pelo amigo Manoel, estes sim são e serão considerados Umbandistas, Cadomblecistas, Juremeiros, Quimbandeiros e assim por diante, pois o nome não importa, o que importa é a fé, a verdade, o sentimento puro, a crença no inteligível etc…
      Nasci na Umbanda, passei por diversas outras seitas, estudei parapsicologia e nem por isto deixei de ser o que sempre fui, hoje sou Sacerdote do meu terreiro, não me importo com quantidade e sim com qualidade do ritual e da gira, estudei e continuo estudando muito a mais de 40 anos e sempre digo que nada sei ainda a respeito da nossa maravilhosa religião.
      Abraços e Saravá a todos
      Cire

  10. Sueli Neves disse:

    Sueli Neves 01/07/2013

    Adorei o texto! Concordo plenamente com tudo que li.

    Que Pai Oxalá Abençoe a todos!

  11. Elisabeth kennedy disse:

    SOU UMBANDISTA DE ALMA E DE CORACAO,
    FILHO DE OGUM COM IANSA, DE TODOS OS ORIXAS,
    BEIJO O CHAO DO MEU TERREIO,
    ME CURVO AOS ENSINAMENTOS E A PUREZA DA UMBANDA,
    MARAVILHOSA…
    SARAXA MINHA AMADA UMBANDA

  12. PEDRO MIRANDA disse:

    UMBANDISTA -E AQUELE QUE SEGUE A ESTRADA SAGRADA DE LEI DE UMBANDA

    UMBANDISTA É AQUELE QUE CULTIVA A PAZ ENTRE TODOS OS IRMÃOS PELO BEM DA HUMANIDADE

    UMBADISTA É AQUEL QUE ESTENDE AS MÃOS AOS QUE SE ACHAM CAIDOS E OS AJUDA A SE LEVANTAR

    UMBANDISTA É AQUELE QUE CUMPRE O SAGRADO COMPROMISSO ASSUMIDO NO PLANO ASTRAL PARA SERVIR, AJUDAR, ORIENTAR E CURAR OS ENFERMOS, ENXAGANDO AS LÁGRIMAS DOS QUE CHORAM DE AFLIÇÃO.

    UMBANDISTA É AQUE QUE RESPEITA TODO E QUALQUER IRMÁO COMO CADA IRMÃO O É.

    NADA CONDENA = NADA CRITICA – ORA E PEDE POR TODOS

    UMBANDISTA É AQUELE QUE SEGUE A ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL DOS ESPÍRITOS QUE APORTAM AOS SAGRADOS ETEMPLO DE UMBANDA, DANDO DE GRAÇA O QUE DE GRAÇA RECEBEMOS.

    UMBANDISTA É AQUELE QUE SABE SILENCIAR MEDITAR, AURIR AS ENERGIAS SAGRADAS DA NATUREZA.

    UMBANDISTA É AQUELE QUE SABE QUE NÃO HÁ IN GRATIDÃO POIS APENAS TRABALHA, SERVE E AJUDA SEM NADA PEDIR

    UMBANDISTA É AQUEL QUE ACOLHE O IRMÃO NA HORA DA DOR E DO SOFRIMENTO = NÃO PERGUNTA DE ONDE O ~IRMÃO VEM = NAO SE IMPORTAR SE O IRMÃO VAI OU NÃO CONTINUAR APÓS RECEBER A SUA AJUDA ESPIRIUAL

    FRATERNALMENTE

    PEDRO MIRANDA

    • Manoel Lopes disse:

      Pai Pedro Miranda,

      É sempre uma honra receber seus comentários.
      Em breve farei um novo texto, com suas observações.
      Um fraternal abraço,

      Manoel Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda a pergunta *

Provided by orange county short sale specialist