Pêndulos

INSTRUMENTOS RADIESTÉSICOS
Além do pêndulo o radiestesista pode necessitar de inúmeros outros instrumentos. A escolha do instrumento dependerá do tipo de trabalho radiestésico a ser feito, das condições ambientais e da própria habilidade e sensibilidade do operador. O radiestesista experiente sempre saberá escolher o(s) instrumentos mais adequados ao trabalho que pretende desenvolver, levando em consideração todos os fatores que possam influir no processo.
Os principais instrumentos radiestésicos são o pêndulo e a vareta.
A física define pêndulo como sendo “uma massa suspensa por um fio flexível”. Por esta definição pode-se deduzir que a falta de um pêndulo usado em radiestesia, o operador pode usar qualquer objeto preso a qualquer fio flexível.
Radiestesistas sensíveis são capazes de obter bons resultados com pêndulos feitos com alianças, pedras, pedaços de metal, tocos de velas, etc. A cor, forma, peso, tamanho e material do pêndulo variam muito e, por isso, enfocaremos apenas o essencial sobre estes aspectos.
A forma simétrica é ideal, pois permite que o pêndulo fique bem centrado. Para trabalhos sobre gráficos, plantas ou mapas recomenda-se um pêndulo pontiagudo para que se veja melhor o que está sendo indicado. Para trabalhos de campo devese usar pêndulos mais pesados para que o vento não prejudique o movimento pendular.
Normalmente os radiestesistas muito sensíveis preferem pêndulos mais pesados. O pêndulo pode ser feito de qualquer material, dando-se preferência aos materiais naturais e não magnéticos.
O fio de suspensão pode ser metálico (tipo corrente) ou de qualquer outra natureza. Os fios de algodão e linho são preferíveis e não devem ser torcidos para não provocarem rotação do pêndulo em torno do seu eixo.
O fio pode ser de qualquer cor, mas o de cor preta é preferível, pois as cores interferem na pesquisa radiestésica. A cor do pêndulo deve ser a do próprio material de que é feito.

Pêndulos
Pêndulos