As Sete Forças Primordiais e as Sete Linhas da Umbanda

As Sete Forças Primordiais e as Sete Linhas da Umbanda
por Manoel Lopes

Planeta Terra
Planeta Terra

No Núcleo Mata Verde, seguimos uma doutrina umbandista chamada de Sete Reinos Sagrados.
Identificamos sete forças universais que são produzidas pelos sete reinos sagrados e que se manifestam na realidade física, etérica, estrutural e espiritual.
A componente física é a parte mais densa da natureza, a matéria, a massa.
A componente etérica é a resultante de todos os campos eletromagnéticos gerados pelas estruturas materiais existentes no universo, seja uma pedra ou o corpo humano.
A componente estrutural é o campo estrutural, o organizador das formas, formado pelos campos de natureza mental e emocional; o biólogo inglês Rubert Sheldrake chama estes campos estruturais de campos mórficos.
Recomendamos a leitura do livro: “A Presença do Passado –  Rubert Shedrake” – Instituto PIAGET.
Finalmente a componente espiritual, que são as vibrações de natureza espiritual que tem origem nas inteligências extrafísicas conhecidas como espíritos.

O equilíbrio destas sete forças primordiais, em suas diversas manifestações (física, etérica, mental, emocional e espiritual) é o responsável, entre outras coisas, pela existência da vida humana.
Estas sete forças são conhecidas, dentro do ritual de umbanda, pelo nome em Tupi antigo.

São elas:

1)Tatá Pyatã – força Ígnea

2)Yby Pyatã – força telúrica

3)Ybytu Pyatã – força eólica

4)Y Pyatã – força hídrica

5)Caá Pyatã – força vegetal e animal

6)Abá Pyatã – força hominal

7)Angá Pyatã – força espiritual

Cada uma destas sete forças é vinculada a um reino, que dentro de uma estrutura didática adotada pela doutrina dos sete reinos sagrados, são fases da evolução planetária.

Para maiores detalhes sobre a formação planetária e os sete reinos sagrados, recomendamos os cursos oferecidos pelo Núcleo Mata Verde, pelo sistema de ensino à distância no site www.ead.mataverde.org

Focando nossa atenção na parcela espiritual destas sete forças primordiais, podemos identificar a existência de sete hierarquias espirituais vinculadas aos sete reinos sagrados.

Cada uma das sete hierarquias espirituais  é formada por seres espirituais nos diversos estágios do caminho evolutivo que são: as mônadas espirituais recém criadas, os elementais, os elementares, almas grupos, encantados, espíritos encarnados, protetores, guias, santos, mestres, anjos e Orixás.

A este caminho evolutivo que se inicia na mônada espiritual, recém-criada por Deus, e encontra seu topo evolutivo nos Orixás Primordiais, chamamos de Arapé – O Caminho da Luz; o caminho da evolução espiritual e que todos nós participamos.

Temos como princípio que os Orixás são seres espirituais da maior envergadura espiritual e que são os primeiros espíritos criados por Deus; por isso estão no topo do caminho evolutivo espiritual nunca se manifestam mediunicamente pois são pura luz espiritual, forças divinas.

Acima deles somente o criador!

Estes Orixás conhecidos como Orixás Primordiais receberam de Deus a tarefa de criarem, ordenarem, organizarem e manterem todo universo; são chamados algumas vezes de engenheiros siderais.

Sua atuação se fez presente na criação de nosso planeta e a cada um foi designado uma área da realidade cósmica universal.

Para cada um dos sete reinos sagrados existe um Orixá Regente, que não deve ser confundido com o Orixá Primordial, pois nem sempre o Orixá Regente é um Orixá Primordial.

São eles:

1)Reino do Fogo – regido por Ogum – a cor é vermelho

2)Reino da Terra – regido por Xangô – cor marrom

3)Reino do Ar – regido por Iansã – cor amarela

4)Reino da água – regido por Iemanjá – cor azul claro

5)Reino das Matas – regido por Oxossi – cor verde

6)Reino da Humanidade – regido por Oxalá – cor branco

7)Reino das Almas – regido por Omulu – cor preta

É possível relacionar os sete reinos sagrados com as sete linhas da Umbanda através dos sete orixás regentes:

1)Primeira linha – Linha de Ogum – regente é Ogum

2)Segunda linha – linha de Xangô – regente é Xangô

3)Terceira linha – linha de Iansã – regente Iansã

4)Quarta linha – linha de Iemanjá – regente Iemanjá

5)Quinta linha – linha de Oxossi – regente Oxossi

6)Sexta linha – linha de Oxalá – regente Oxalá

7)Sétima linha – linha das almas ou de Omulu – regente Omulu

É interessante observar que as sete linhas relacionadas acima foram apresentadas pela primeira vez em 1933 por Leal de Souza no primeiro livro a falar sobre a Umbanda, o nome deste livro é O Espiritismo, a magia e as sete linhas da umbanda de Leal de Souza, recentemente lançado pela editora do conhecimento.

Nesta ocasião ninguém falava em sete reinos sagrados, pois é um conceito novo apresentado pela primeira vez, na forma escrita, no livro Umbanda os Sete Reinos Sagrados de Manoel Lopes.

Também em 1941 no Primeiro Congresso Brasileiro de Umbanda, estas sete linhas foram oficialmente aceitas como as sete linhas da umbanda, o livro resultante deste primeiro congresso encontra-se disponível para download no site do Núcleo Mata Verde.

Embora não exista nenhuma ligação direta entre a doutrina apresentada pelo Caboclo Mata Verde e a Umbanda da época de Leal de Souza, é importante chamarmos a atenção para esta grande “coincidência” existente entre as sete linhas apresentada pelo Caboclo Mata Verde e que tem seus princípios na formação do planeta Terra e as sete linhas apresentadas por Leal de Souza em 1933 e que tinham como fonte a observação empírica dos trabalhos espirituais realizados na Tenda Nossa Senhora da Piedade o berço da Umbanda.

Será somente coincidência?

Abraços,

São Vicente, 30/06/2012

Manoel Lopes