No último dia 22 de Outubro de 2017 realizamos no Núcleo Mata Verde mais um ritual do Amacy.

O Amacy, no Núcleo Mata Verde, é um rito interno, reservado e somente algumas pessoas participam.

Para que todos possam entender melhor o Rito do Amacy, descrevemos abaixo algumas fases do processo iniciático da Escola Iniciática do Caboclo Mata Verde.

Todas as fotos estão disponíveis no site do Núcleo Mata Verde.

Um médium para participar do Núcleo Mata Verde deve passar por determinadas fases, antes de poder participar da corrente e dar consultas nas giras públicas.

Quando uma pessoa procura nossa casa, normalmente vem em busca de auxílio, de ajuda, de amparo.

Ela com toda certeza encontrará esta ajuda espiritual através da corrente espiritual do Núcleo Mata Verde e da egrégora da casa.

Se após seu equilíbrio energético e espiritual, resolver seguir o caminho da umbanda; que é um caminho de busca espiritual, esta pessoa seguirá um caminho que chamamos de Arapé – O Caminho da Luz.

Este trajeto espiritual é realizado em fases que possuem uma nomenclatura própria.

Uma primeira fase é a do conhecimento, do equilíbrio fluídico, do “namoro” com a casa e sua egrégora.

Chamamos esta fase inicial de “Abá Mirim” onde a pessoa ainda se encontra na assistência, embora já esteja frequentando a casa há alguns meses, nesta fase a pessoa já fez sua escolha, embora ainda não participe ativamente dos trabalhos internos da casa.

O interessado já frequenta regularmente a assistência há alguns meses, ou anos, e demonstra seu interesse em ingressar para o Terreiro.

Já decidiu entrar, frequenta regularmente e já conversou com o dirigente da casa, pedindo informações de como faz para entrar para o Terreiro. Este é o Abá Mirim.

Após esta fase inicial, se realmente quer entrar para o Núcleo Mata Verde, ele deve procurar o Dirigente da Casa, o Caboclo Chefe e o Preto Velho e somente após a autorização dos três é que  esta pessoa entrará para a casa, fazendo parte da família espiritual do Caboclo Mata Verde.
Dizemos que passará a usar o “Branco”, a roupa branca, o uniforme utilizado nos trabalhos espirituais.

Assim que receber autorização dos  responsáveis pelo Terreiro (Dirigente, Morubixaba e Preto Velho) ela poderá entrar como filho da casa. Nesta nova fase ela é chamada de “Abá Guassú”.

Nesta fase de Abá Guassú poderá participar de todos os trabalhos espirituais realizados na casa,participando ativamente do desenvolvimento mediúnico, cursos, grupos de trabalho, equipes de limpeza, gira dos Guardiões etc…
Nesta nova fase a frequência é obrigatória, deverá assinar o livro de presença e manter uma frequência mensal de 75% das reuniões.

Irá permanecer como um Abá Guassú durante um ano, quando será elevado ao primeiro grau, que chamamos de grau do fogo, ou grau de ogum.

O Grau do Fogo é a primeira iniciação do Núcleo Mata Verde, podemos também considerá-lo como o Batismo. É um batismo de fogo e não de água.

Será então iniciado no grau e passará a ser um Abaré Tatá, um Sacerdote do fogo.

Anualmente será promovido nos graus, que são:

Grau do Fogo ou Ogum – Abaré Tatá – 1º Grau – Cor Vermelha

Grau da Terra ou Xangô – Abaré Yby – 2º Grau – Cor Marrom

Grau do Ar ou Iansã – Abaré Ybytu – 3º Grau – Cor Amarela

Grau da Água ou Iemanjá – Abaré Y – 4º Grau – Cor Azul Claro

Grau das Matas ou Oxossi – Abaré Caá – 5º Grau – Cor Verde

Grau da Humanidade ou Oxalá – Abaré Abá – 6º Grau – Cor Branca

Grau das Almas ou Omulu – Abaré Angá – 7º Grau – Cor Preta

Este caminho é percorrido durante sete anos, um grau por ano, desde que frequente regularmente as reuniões e acompanhe os estudos oferecidos pela casa.

Este caminho é percorrido por todos, sejam médiuns de incorporação, Ogans, Cambones , etc…

Em relação aos médiuns de trabalho (ou incorporação) existe um caminho paralelo, que também é marcado por etapas.

O médium pode ter começado seu desenvolvimento mediúnico no Núcleo Mata Verde, ou já pode ter chegado “feito”, não interessa…Ele deve passar por todas as etapas independente de sua origem.

O caminho de todos os médiuns é:

Quando começam a girar, a sentir as primeiras vibrações são chamados de Bojá Mirim.

Com o passar do tempo sua mediunidade vai melhorando, sua incorporação já está mais segura, o médium já conhece bem algumas entidades que o acompanham.

Nesta fase ele é chamado de Bojá.

Quando ele já está incorporando bem, suas entidades  já estão firmes, já se comunicam bem, eles são convidados pelo Caboclo Chefe a ficarem firmando na corrente nos dias de atendimento público.

Nesta fase são chamados de Bojá Guassú e começam a dar passes.

Até o grau de Bojá  somente dão passagem para seus guias nos dias de desenvolvimento e nas giras dos Guardiões, que são giras reservadas, fechadas ao público.

Quando este médium já possui pelo menos um ano de casa, e já está como Bojá Guassú , o Caboclo Chefe autoriza que seja feito o primeiro Amacy.

 

Após o  amacy este médium será chamado de Abaré Mirim e passará a fazer parte da corrente de trabalho no atendimento público.

Somente poderá dar consultas aquele médium que possui mais de uma ano de casa, já tenha feito o primeiro Amacy e seja um Abaré Mirim.

Após um tempo trabalhando nas giras públicas, fazendo as consultas e atendimentos, que poderá durar de meses ou até anos, o Caboclo Chefe autorizará o segundo Amacy somente aos Abaré Mirins que ele achar que já estão preparados.

Após este segundo Amacy são chamados de Abarés.

Continuam a trabalhar na corrente e após mais um período de tempo passarão a ser chamados de Abaré Guassú.

Neste estagio são considerados como Mães e Pais Pequenos.

Após sete anos de casa, após ter passado pelos sete graus iniciáticos e após os  Amacys,  caso seja de sua vontade, será coroado e poderá a partir desta data comandar sua própria casa.

Você poderá ver no site do Núcleo as fotos do último Amacy, clique aqui.

Neste ritual não  utilizamos atabaques, poucas pessoas participam do ritual, na maior parte impera o silêncio.

O médium fica em meditação, enquanto prepara o banho que será utilizado para lavar sua cabeça, seu chakra coronário.

É neste dia que as entidades riscam seus pontos e se identificam com maior segurança.

É necessário que o médium se abstenha de excessos (bebida, sexo, comidas fortes, etc…) durante alguns dias antes e depois do amacy, e deve preservar durante alguns dias o banho que foi feito em sua coroa.

É também um rito de passagem da fase de Bojá Guassú para Abaré Mirim, onde adquire maiores responsabilidades como membro do Núcleo e como médium.

No youtube você encontrará vários vídeos dos Amacys realizados no Núcleo Mata Verde.

Saravá!

São Vicente, 28/10/2017

Manoel Lopes – Dirigente do Núcleo Mata Verde

Obs.: ESTE TEXTO PODE SER REPRODUZIDO, DESDE QUE SEJA NA ÍNTEGRA E QUE SEJA CITADA A SUA ORIGEM

Registre seu comentário, suas sugestões e críticas!

http://www.blog.mataverde.org/wp-content/uploads/2017/10/foto1-1024x683.jpghttp://www.blog.mataverde.org/wp-content/uploads/2017/10/foto1-300x300.jpgManoel LopesDoutrinaEstudosabaré mirim,amaci,amacy,lavagem da cabeça,ritual do nucleo,umbanda
No último dia 22 de Outubro de 2017 realizamos no Núcleo Mata Verde mais um ritual do Amacy. O Amacy, no Núcleo Mata Verde, é um rito interno, reservado e somente algumas pessoas participam. Para que todos possam entender melhor o Rito do Amacy, descrevemos abaixo algumas fases do processo iniciático...