espiral

 

As sete linhas da Umbanda

 

Embora seja um dos assuntos mais difundidos, através de músicas e pontos cantados, ainda é um assunto bastante desconhecido por muitos umbandistas.

As sete linhas é um conceito antigo, que teve sua origem no início da umbanda, mais precisamente na década de 30 com Leal de Souza.

Leal de Souza era dirigente de uma das sete Tendas de Umbanda criadas por Zélio de Moraes e o Caboclo das Sete Encruzilhadas; também foi o primeiro escritor a falar sobre a Umbanda.

Leal de Souza publicou em 1933 um livro chamado O Espiritismo, a Magia e as Sete Linhas da Umbanda, este foi o primeiro livro a falar sobre a umbanda e neste livro Leal de Souza apresenta pela primeira vez o conceito das Sete Linhas da Umbanda.

Neste livro são apresentadas as sete linhas da umbanda (nesta ordem):

Linha de oxalá
Linha de Ogum
Linha de Oxossi
Linha de Xangô
Linha de Iansã
Linha de Iemanjá
Linha das Almas

Estas linhas foram apresentadas por Leal de Souza, conforme orientações do Caboclo das sete Encruzilhadas, pois Leal de Souza frequentou durante vários anos a Tenda Nossa Senhora da Piedade antes de ir dirigir a Tenda Nossa Senhora da Conceição, que era uma das sete Tendas criadas pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas.

De uma maneira simples podemos dizer que estas sete linhas são agrupamentos de entidades espirituais que trabalham na umbanda, e que possuem características semelhantes, ou em outros termos, possuem afinidades espirituais na forma de se manifestarem e realizarem seus trabalhos espirituais.

É a partir destas sete linhas (principais) que se formam todas as demais  falanges de trabalhadores da umbanda, sejam de Caboclos, Pretos Velhos, Crianças e Exus.

Para cada linha existem pontos riscados e  cores que identificam a vibração.
Leal de Souza identifica as cores da seguinte forma:

Linha de Oxalá – Branco
Linha de Ogum – Vermelho (encarnada)
Linha de Oxossi – Verde
Linha de Xangô – Roxa
Linha de Iansã – Amarela
Linha de Iemanjá – Azul
Linha das Almas – Preta

Após quase cem anos, continuamos no Núcleo Mata Verde, a manter a mesmas sete linhas que foram as primeiras apresentadas por Leal de Souza, mas  a partir de uma nova  visão.

Seguimos no Núcleo Mata Verde uma doutrina chamada Umbanda os Sete Reinos Sagrados, que tem como ponto de partida a ação dos Orixás na formação do planeta Terra.

Sendo os Orixás potências  espirituais cósmicas, e coautores da criação universal, conhecidos também como orixás primordiais ou como “engenheiros siderais”, a cada um foi designado uma etapa da formação do nosso planeta.
São estes os sete reinos sagrados e seus respectivos orixás regentes, a partir do processo evolutivo do planeta Terra (na ordem):

Reino do fogo – Ogum
Reino da Terra – Xangô
Reino do Ar – Iansã
Reino da Água – Iemanjá
Reino das Matas – Oxossi
Reino da Humanidade – Oxalá
Reino das Almas – Obaluaê/Omulu

Cada um destes sete reinos possui uma vibração espiritual primordial, que pela lei da afinidade espiritual forma o que chamamos de hierarquias espirituais.

A estas sete hierarquias espirituais estão vinculadas, pelas leis da afinidade e atração espiritual, os vários seres espirituais  existentes, desde as mônadas espirituais, os elementais, os espíritos elementares, os encantados naturais, os espíritos da natureza, os espíritos (humanos), os mestres, os anjos e os orixás.

São estas sete hierarquias espirituais que chamamos de sete linhas da Umbanda no Núcleo Mata Verde (na ordem).

Reino do Fogo – Linha de Ogum
Reino da Terra – Linha de Xangô
Reino do Ar – Linha de Iansã
Reino da Água – Linha de Iemanjá
Reino das Matas – Linha de Oxossi
Reino da Humanidade – Linha de Oxalá
Reino das Almas – Linha das Almas

As cores que identificam as sete linhas são as mesmas apresentadas por Leal de Souza, com exceção da Linha de Xangô onde a cor é o Marrom.

A força das Sete Linhas se faz notar em todos os seres e lugares, elas são responsáveis pelo equilíbrio da  natureza e da vida.

Todo espírito que se manifesta num Terreiro de Umbanda, sempre estará vinculado a uma das sete linhas da umbanda, podendo em alguns casos estar cruzado com outras linhas, seja ele um Caboclo, Preto velho, Criança, Baiano, Boiadeiro, Marinheiro, Cigano,  Exu etc…

Saravá Umbanda!

Saravá as Sete Linhas da Umbanda!

 

São Vicente, 28/08/2014

Manoel  Lopes – Dirigente do Núcleo Mata Verde

 

 

 

 

 

http://www.blog.mataverde.org/wp-content/uploads/2014/08/espiral.jpghttp://www.blog.mataverde.org/wp-content/uploads/2014/08/espiral-150x150.jpgManoel LopesAtualidadesDoutrinasete linhas da umbanda,umbanda
  As sete linhas da Umbanda   Embora seja um dos assuntos mais difundidos, através de músicas e pontos cantados, ainda é um assunto bastante desconhecido por muitos umbandistas. As sete linhas é um conceito antigo, que teve sua origem no início da umbanda, mais precisamente na década de 30 com Leal de...